sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Montmartre, o bairro boêmio de Paris

Bonjour, amigos!

Hoje foi mais um dia em que acordei tarde...estou adorando poder acordar tarde em Paris, sem me sentir obrigada a fazer nada! É bom demais não ser mais 100% turista!
Fui ao bairro de Montmartre, reduto da boemia de Paris. Foi lá que pintores como Renoir, Degas e Toulouse-Loutrec fizeram suas mais belas obras e foi lá também que a maior parte do filme "O fabuloso destino de Amélie Poulin" foi rodado!
Eu já havia ido a Montmartre ano passado com minha mãe. Queríamos ir à basílica de Sacre-Coeur, que é lindíssima! Contudo, por ser o auge do verão, ano passado o bairro estava lotado e mal conseguíamos andar pelas ruas.
Dessa vez foi bem diferente! É claro que ainda há uma horda de turistas, mas não é como no início de agosto. Hoje eu pude passear por Montmartre, pude ver ruas que não tinha percebido...


...pude ver a Place de Tertre, uma bucólica pracinha onde alguns artistas desenham os turistas dispostos a pagar caro por seus retratos. Ano passado não era possível sequer passar por aqui!


Pude observar a arquitetura externa da Sacre-Couer e ver o quanto ela é realmente bonita!


E pude ir ao Museu de Montmartre (12, rue Cortot. A entrada custa 8 euros e o audioguia é grátis), que conta a história do bairro, de seus cabarés famosos (como o Chat Noir e o Moulin Rouge) e de seus artistas. Muito bonito! Pena que não é possível tirar fotos de dentro do museu, apenas pude tirar fotos no belo jardim.




Dali, passeei mais um pouco e descobri, atrás da Sacre-Coeur, um jardinzinho púbico lindo! Com cantinhos que dá vontade de passar a tarde!


Depois fui almoçar na Place de Tertre. Comi uma entrada de melão com presunto cru (aprendi a gostar disso com o Theo, lá na Toscana) e um prato principal que era Bife Bourgignon. Delícia!



Depois fui andar um pouco, sem rumo! Como é bom apenas andar...ao chegar de volta na frente da Basílica havia um rapaz cantando e uma multidão ali, sentada nos degraus, ouvindo. Também sentei. Ele era engraçado e falava em várias línguas, tudo meio misturado. Inglês, francês, espanhol e italiano. No fim, deu pra entender tudo e até rir das piadas que ele fazia. Foi bem gostoso.


Montmartre é um bairro com diversas lojas baratas, onde se ouve muito português (basta ter uma promoção que lá estão os brasileiros comprando!) e cujo nome veio de "Monte de Marte", pois aqui, antigamente, existia um templo para o deus da guerra. Dizem que seu nome também tem a ver com "Monte dos mártires", pois foi nesse local que Saint Denis foi martirizado e teve sua cabeça degolada. De qualquer modo, o bairro ficou famoso mesmo pela arte, pela bebida e pelo can-can dançado nos cabarés desde 1889, quando o Moulin Rouge foi inaugurado.
Depois desse retorno ao mundo dos artistas boêmios, retornei ao apto. Hoje quis voltar para casa cedo, pois estava sentindo falta de ficar um pouco em casa. Quando a gente viaja, parece que existe uma obrigação de ter de sair todos os dias para ver tudo o que a cidade oferece, mas hoje eu estava mais caseira, querendo curtir um pouco esse canto que, no momento, estou chamando de lar.

A Bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM AGOSTO/SETEMBRO DE 2010