sábado, 10 de setembro de 2011

Copa e Olimpíadas no Rio de Janeiro- Tô fora!

Olá, amigos!

Esse título pode parecer meio estranho para a maioria dos leitores desse blog, até porque, vocês devem estar se perguntando o motivo desse tema em um blog de viagens. A questão é a seguinte: estava eu andando pelas ruas do meu bairro, outro dia, quando fiquei na calçada esperando o sinal ficar vermelho para os carros para que eu pudesse atravessar e me dei conta de como somos diferentes dos milhares de turistas que, provavelmente, virão para cá nesses dois eventos esportivos. Depois de algumas idas à Europa e à América do Sul, percebi como nosso trânsito desrespeita o pedestre!
Em alguns países, quando o sinal fica amarelo, os moradores já começam a atravessar na faixa, pois sabem que, obviamente, aquele é um aviso para que os carros parem. Fico imaginando a quantidade de turistas desavisados que serão atropelados nas ruas do Rio de Janeiro em que os motoristas acham que estão fazendo um imenso favor ao pararem no sinal vermelho (depois que ele já está vermelho há algum tempo!).
Isso sem falar na quantidade de sinais sem faixa de pedestre, ou de lugares em que se atravessa "quando dá". Como um suíço vai compreender isso?
Outra diferença marcante é na questão do respeito dos ciclistas aos pedestres. Lá fora existem ciclovias e elas têm regras próprias, os ciclistas param em sinais como se estivessem na rua. Aqui, segundo o que andei lendo, o Rio de Janeiro é a cidade com a maior malha cicloviária do país (ai, Jizuis! ), só que isso não significa que tenhamos, de fato, ciclovias. A não ser nas praias da zona sul. Por outro lado, temos cada vez mais ciclistas e ciclistas que insistem em andar na contra-mão da rua, ou seja, o pedestre que  quer atravessar  (levando em conta que ele tenha a sorte de estar em uma via com sinalização e faixa de pedestre), além de se preocupar se os carros pararam, terá de olhar para TODOS os lados, pois, do nada,, uma bicicleta pode surpreendê-lo, vindo a toda velocidade  na contra-mão. A colisão provoca estragos sérios, acredite!
E há a questão monetária. Fora do Brasil existem moedas e 1 e 2 centavos em circulação e elas são utilizadas normalmente. Aqui, se o preço é R$2,99 já sabemos que não haverá troco para R$3,00, já que o governo alega que é muito caro fazer moedas de 1 centavo, mas os turistas não sabem disso! Eles vão ficar ali, na fila, esperando seu 1 centavo! E com razão! Ao não receberem, sairão com a sensação de terem sido lesados, já que o preço era R$2,99 e não R$3,00. Parece uma bobagem para nós, brasileiros, tão acostumados a não acreditar que moedas também são dinheiro, mas para eles será um choque.
E o transporte público? Isso é um caso à parte, principalmente aqui no Rio de Janeiro onde o metrô não tem grande abrangência. Europeu está acostumado a metrô. Fico pensando, por exemplo, em um dia em que haja um jogo no estádio de São Januário, em São Cristóvão, de manhã e outro no Maracanã, à tarde. Dois lugares tão próximos mas que só serão alcançados pelos turistas de táxi, pois não existe uma linha de ônibus que faça esse trajeto nem um metrô que atenda a esses lugares. O pior é que os bairros são tão próximos que daria até para ir a pé, se a estrutura física da cidade permitisse, mas não é possível, pois há de se passar por viadutos que são vedados aos pedestres! Como fazer os turistas entenderem isso?
Como fazer com que eles entendam que entre o Rio de Janeiro e São Paulo, locais que sediarão, provavelmente, a abertura e o fechamento da Copa do Mundo, existe apenas a possibilidade de se ir de ônibus enfrentando horas de engarrafamento na Avenida Brasil, Dutra e Marginal Tietê? Não existe um trem que cruze os meros 480 km que separam essas duas cidades.
Isso sem falar no problema dos aeroportos que, provavelmente, não ficarão prontos a tempo; na dificuldade de infra-estrutura que os aeroportos, já inchados, como Tom Jobim e Guarulhos enfrentam já hoje, sem nenhum evento para atrair milhões de pessoas.
Sem mencionar também na violência urbana que impera no Rio de Janeiro e que o governo estadual tenta, a todo custo, mascarar através de instalações de UPPs. A violência é tanta que uma parte da linha amarela está sendo chamada de "faixa de Gaza carioca". Acho que nem preciso falar mais do quesito "violência" depois disso...
Para os governos a Copa e as Olimpíadas são boas, afinal, trazem obras que podem ser superfaturadas para que eles possam roubar mais sem serem notados (haja vista a questão da obra do Maracanã que custará quase 100 milhões a menos depois que o Tribunal de Contas da União reviu o orçamento. Tá aqui, ó: http://www1.folha.uol.com.br/esporte/968277-tcu-encontra-sobrepreco-em-obra-do-maracana.shtml ).

Esses são apenas alguns dos diversos problemas que os turistas estrangeiros e nós, brasileiros enfrentaremos aqui durante esses eventos esportivos, que foram tão alardeados como "alavancadores do turismo nacional". Tenho uma certa pena principalmente daqueles marinheiros de primeira viagem que nunca vieram para as bandas da América do Sul. Fico triste de ver que temos tanto potencial, poderíamos ser uma grande nação e não apenas um país grande em termos de dimensões.
Não gosto da ideia de ter uma Copa e uma Olimpíada no meu país e na minha cidade, não vejo progresso nisso, pelo menos, não para o cidadão comum, aquele que paga seus impostos regularmente. Não pretendo estar no país na época desses eventos. Ainda não planejei nada, mas se eu puder, estarei bem longe da confusão que vai se instalar por aqui. Caso a sua intenção seja fazer o mesmo, sugiro ler o blog "Turomaquia", pois agora há um "cadernos de viagens" em que a blogueira planeja uma ótima viagem para você. Recomendo! Esse blog já me ajudou muito e acho que essa iniciativa irá auxiliar muitos que nem sabem por onde começar na hora de sair do país, mas que, assim como eu, não querem estar aqui quando Nero colocar fogo em Roma.
Eis o link: http://turomaquia.com/cadernos-de-viagem-roteiros-personalizados/
E boa viagem!
Até a próxima!

Um comentário:

Patricia de Camargo disse...

Uau, brigaduuuu pela indicação e parabéns pelo texto!