domingo, 24 de julho de 2011

Um templo egípcio e um museu em Madri

Hola, amigos!
Acordamos tarde hoje, estávamos podres de ficar de dois em dois dias carregando malas por esses trens europeus. Desistimos de ir a Plaza de Toros. Eu queria muito conhecer a cultura de touradas espanhola, mas fica pra outra oportunidade.
Resolvemos ir ao Egito, ou melhor, a um templo egípcio que fica no meio da cidade (mais uma dica do blog http://turomaquia.com/). Esse templo foi um presente do governo egípcio à Madri pela ajuda espanhola recebida em 1960 para salvar os templos naquele país. O templo é dedicado a Ísis e Osíris, tem 2200 anos e foi reconstruído o mais fielmente possível ao original. A entrada é grátis, pode-se tirar fotos sem flash e fica aberto nos fins de semana até as 14h.



Dali pegamos o metrô até o Museu do Prado, afinal, não poderíamos ir a Madri sem visitar o Prado. Só compramos o bilhete para a exposição permanente. 8 euros cada. Muito cara para um museu que não permite fotos nem sem flash. As bolsas passam por um raio x, mas mochilas não são permitidas, portanto vá com uma bolsa pequena se quiser ficar junto dos seus pertences.


Logo na entrada, alugamos o audioguia (em espanhol, pois não tinha em português) por 3,50 euros e fomos ver as obras de Veronese, Tiziano, Velasquez, Rubens, Goya e El Greco. Todas muito bonitas. Saímos de lá duas horas depois e fomos almoçar na calle de Huertas, uma rua muito bonitinha pela qual nos apaixonamos. O lugar se chama “Bodeguilla Los Rotos”(número 74), onde comemos muito bem e muito barato! Encontramos mais brasileiros, trocamos mais informações e depois viemos para o hotel descansar.


Mais tarde fomos ver a cidade iluminada, mas Madri não tem tantas luzes à noite. Passamos na Chocolateria San Ginés, que tem um famoso churros com chocolate.




Uma delícia! Dali fomos à Plaza Mayor ver se estava acontecendo algo interessante e estava! Tinha um show de vários grupos de dança típica espanhola. Lindo!
Hasta Luego!

VIAGEM REALIZADA EM JULHO DE 2011

Toledo, uma linda cidade medieval

Hola, amigos!

Hoje acordamos cedo e fomos para a ferrovia pegar o trem para Toledo, uma cidade medieval a 33 minutos de Madri. Ao chegarmos já ficamos encantadas com a estação de Toledo que é uma gracinha! Cheia de vitrais e azulejos coloridos. A arquitetura do prédio é linda!



Bem em frente dela,com os horários coordenados aos horários dos trens, existem dois ônibus turísticos que levam até a cidade, um que vai direto ao centro e custa 5 euros e outro que tem dois andares, você pode subir e descer quantas vezes quiser e custa 8 euros. Ficamos com o segundo, pois poderíamos voltar nele também. Além disso, ele vai por fora da cidade e para no meio do caminho para que possamos tirar fotos da vista panorâmica. Linda!


Toledo foi capital dos visigodos e, ao longo do tempo, foi ocupada ao mesmo tempo por cristãos, judeus e muçulmanos, por isso ela é conhecida como a “cidade das três culturas”. O centro histórico fica no alto, de onde se vê, entre as montanhas, o rio Tajo, que nasce em Portugal com o nome de Tejo.


O ônibus para na Plaza Zocodover, onde há um centro de informação turística chamado “La casa de mapa”, entramos e pegamos o nosso. A partir dali, nos encaminhamos através das ruazinhas medievais cheias de referência a Dom Quixote (Toledo é a capital da região de La Mancha, de onde vem o personagem) até a Santa Iglesia Catedral Primada. Pagamos 7 euros por pessoa para poder entrar e é proibido tirar fotos de seu interior (mas é claro que eu tirei algumas). Uma pena, pois o templo é belíssimo, cheio de detalhes, vitrais e capelas ricamente ornadas. Na sacristia está o quadro de El Greco “el Expolio”, pintado ali mesmo, em 1587. Toledo, aliás, é a cidade de El Greco, não onde ele nasceu (afinal, ele era grego), mas onde ele se tornou famoso e onde viveu nos últimos anos de sua vida.




Da Catedral, passeamos um pouco, até encontrarmos um simpático restaurante chamado “La Taberna del pescador”, onde almoçamos comida típica daqui. Primeiro prato: paella. Segundo prato: Cuchinillo, um porquinho assado com batatas. Saboroso, barato e bom para repor as energias já que Toledo, assim como Madri, é cheia de ladeiras.



Passamos em diversas lojinhas com produtos da região, compramos umas lembrancinhas e nos encaminhamos à Sinagoga del Transito, um dos mais importantes exemplos de arte judaica-espanhola, que sedia o museu Sefardi (nome dado ao judeu oriundo da Espanha). O lugar é bonito, pode-se tirar fotos sem flash, é pequeno e vale a visita. Se for sábado, após as 14h, a entrada é grátis. Ao lado da Sinagoga, também grátis aos sábados após 14h, está o Museu El Greco, feita à semelhança da casa do pintor e que possui um bom acervo de obras, não apenas dele, mas também de pintores que seguiram sua escola.




Como estávamos cansadas e nosso trem sairia dali a 2 horas, voltamos até a Plaza Zocodover para pegarmos o ônibus turístico que nos deixaria na estação. Comemos algo no café da ferrovia e vimos que, nessa época, na Europa, só existem brasileiros! Só ali eram 3 mesas com brasileiros, além da nossa. Trocamos algumas informações e pegamos o trem de volta. Descansamos um pouco no hotel e saímos para passear. Demos uma volta pela Gran Via, rua famosa daqui, fomos à Fuente de Cibeles (mas não deu para nos aproximarmos muito porque estava havendo mais uma manifestação) e à Puerta de Alcalá e, ao retornarmos para a Puerta del Sol, nos deparamos com mais uma manifestação (foram duas no mesmo dia!)




Com uma certa dificuldade, conseguimos atravessar a praça e chegamos ao hotel. Ufa! O dia hoje foi puxado!

Hasta Luego!

VIAGEM REALIZADA EM JULHO DE 2011

Ida para Madri de AVE


Hola, amigos!

Saímos cedo de Barcelona para pegar o trem AVE até Madri. São 3h15 de viagem em um trem bem confortável. É engraçado como os controles mudam de um país para o outro. Quando saímos de Montpellier para Barcelona não houve qualquer controle nas passagens e quando chegamos na estação espanhola o guarda mal olhou nossos passaportes. Aqui na Espanha tudo é bem controlado: há um código de barras na passagem que é passado pelo funcionário da ferrovia e as bagagens passam por um raio X.
A viagem foi tranquila e chegamos por volta de 13h30 em Madri, só que tivemos que enfrentar outra daquelas filas com senha para comprar a passagem para Toledo. Dessa vez durou apenas uma hora. Passagens compradas, pegamos o táxi e fomos até a Puerta del Sol, onde fica o Hostal Ana Belen, onde nos hospedamos. Muito limpo, quarto grande, tv, conexão ADSL de internet e ar condicionado. Fica bem na saída do metrô. Melhor localização, impossível! Dica do blog Turomaquia (http://turomaquia.com/), que está entre os meus blogs preferidos.
Depois do check-in, fomos dar uma volta na cidade e comer alguma coisa. Descobrimos que Madri não é plana! Ladeiras e mais ladeiras para todo lado e como está calor, fica ainda mais difícil...também descobrimos que a crise está pesada aqui na Espanha. Chegamos em um época de liquidações, está tudo tão barato que nem se acredita. Vimos sapatos a 5 euros! Vimos também muito mendigos nas ruas e muitas manifestações públicas para que o governo pare de apertar tanto o cinto das pessoas. Tem o lado bom de estar tudo barato, mas tem o lado triste de ver como um continente inteiro está indo à bancarrota pouco a pouco.
Fomos até a Plaza Mayor, lugar onde aconteceram, durante séculos, os mercados públicos, as peças de teatro ao ar livre, a praça de touros, o local de enforcamentos de criminosos, as sessões de inquisição e as cerimônias de humilhação e castigo dos acusados de heresia e bruxaria. O local é enorme e muito bonito. Almoçamos em um restaurante bem baratinho que encontramos ali. Comida boa. Saiu tudo por menos de 20 euros, para duas pessoas!!
Depois fomos passear um pouco pelas ruas no entorno da praça, mas como estávamos cansadas, decidimos vir cedo para o hotel para descansar.
Hasta Luego!

VIAGEM REALIZADA EM JULHO DE 2011