sábado, 2 de julho de 2016

Da Catalunya a Paris em 7 horas

Bonjour, amigos!

Acordei cedo. Ainda era noite lá fora. Desci, tomei meu último café da manhã no hotel de Barcelona e peguei um táxi em direção à estação Barcelona Sants. Eu poderia ter ido de metrô, mas estava cansada, com mala pesada e teria de fazer muitas baldeações com escadas e mais escadas, então achei que valia a pena pagar 20 euros para que o táxi me deixasse na porta da estação e ainda descarregasse minha mala.  Peguei o trem de 9h30 e desembarquei às 16h10 numa fria e chuvosa Paris.
Saí da Gare de Lyon e peguei dois ônibus até meu hotel em Montparnasse. Fiquei num hotel bem ruim chamado Aviatic. Não recomendo! A única vantagem dele, além do preço, é a localização que realmente é boa. Nenhum lugar em Paris é tão bom para se hospedar como o Quartier Latin, mas Montparnasse é um bairro bem gostosinho, com muitas lojas, mercados e restaurantes, além de metrô e ônibus na porta. Mas a calefação do hotel era péssima! E isso no inverno é bem complicado! Tá certo que o frio estava bem menor que o esperado para essa época do ano, mas para essa carioca que vos escreve, 6 graus é bastante frio! 
Como eu cheguei cansada e estava chovendo, tudo o que eu queria era passar no Monoprix para fazer umas comprinhas (o hotel não tem café da manhã, mas tem uma chaleira elétrica  no quarto, o que me permitia fazer café, chá ou chocolate bem quentinho) e comer em algum lugar ali perto. Acabei descobrindo um restaurante a duas quadras chamado Daguerre, que fica na rua de mesmo nome e que serve um confit de canard delicioso!!! Aliás, nessa mesma rua há várias lojinhas de comida bem bacanas: queijos, chocolates, fois gras, vinhos, enfim...é uma rua em que vale a pena passear e o melhor é que os preços em Montparnasse são muito mais convidativos que os do Quartier Latin! 

Confit de Canard e batatas
Dia seguinte, acordei cedo e peguei o ônibus 38 até a Notre Dame. Não importa quantas vezes eu venha a Paris, quantas vezes eu entre nessa igreja, eu sempre preciso voltar lá quando chego e quando vou embora. É minha maneira de me sentir em casa em Paris. Sei que amo essa igreja não pela questão religiosa e sim pela questão literária e estar lá, seja dentro dela ou mesmo a observando do lado de fora já me faz um bem enorme! 

Altar dentro da Notre Dame

O portão do juízo final

Eu pisando no marco zero para poder voltar sempre e sempre

Tem como ser mais linda?
Nessa minha volta a Paris, apesar de eu ter planejado um roteiro, resolvi deixá-lo de lado e passear a esmo. Apenas flanar, sem ter compromisso com nada, obrigação de ir a lugar nenhum. Ir apenas onde meus pés me levassem, onde eu sentisse vontade de ir...e eis que no meio do caminho, ao lado do Hôtel de Ville eu esbarrei com um daqueles famosos carrosséis Belle Époque de Paris. E o que eu fiz? Paguei o ingresso (3 euros para adultos) e fui andar! Isso mesmo, amigos! Eu estava ali, em pleno inverno parisiense, andando de carrossel no meio da rua! E vou lhes dizer: estava MUITO feliz! Ridiculamente feliz! Em Paris a gente esbarra com esses carrosséis em toda esquina e ninguém fica nos julgando se somos adultos e estamos ali. Adorei a experiência! 

Eu ali andando de carrossel ao lado das criancinhas e me sentindo muito feliz
Passeei por algumas ruas, entrei em algumas lojas e depois peguei um ônibus até a Torre Eiffel. Almocei um bife Bourgignon em um restaurante que era filial do "Le Dôme" e fui tirar umas lindas fotos da torre no inverno. Depois fui dar uma volta no Jardim de Luxembourg e voltei para o hotel. 



A Torre e a neblina

Quando até um corvo parado no galho ganha um encanto especial
Descobri que existem vários aplicativos de ônibus de Paris e aprendi a me locomover usando só ônibus, o que é muito melhor que metrô. Claro que isso é para mim, que estou de férias e não me incomodo de pegar engarrafamento aqui ou ali. Pelo contrário, até gosto, pois às vezes, estou em lugares lindos, que ainda não conhecia e o ônibus para alguns minutos me dando a chance de tirar belas fotos.  
Agora, sempre que eu voltar a Paris e for possível, vou deixar o metrô para os trabalhadores e andar de ônibus. A paisagem é deslumbrante! Como é bom estar de volta a Paris! 

A Bientôt! 

VIAGEM REALIZADA EM JANEIRO DE 2016

Nenhum comentário: