Mostrando postagens com marcador Firenze (Florença). Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Firenze (Florença). Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

As igrejas de Florença

Olá, amigos!

Como prometi, aqui está o post sobre as igrejas dessa cidade que tem uma a cada esquina. A primeira das que visitei foi a Cappella Brancacci, que fica na Piazza del Carmine (horário de funcionamento: segundas e de quarta a sábado- 10h às 17h e aos domingos- de 13h às 17h - fecha às terças. Preço: 6,50 euros). Na verdade eu fui até essa capela porque havia lido um enorme post sobre ela em um blog do qual gosto muito e especializado em arte, porém, ao chegar lá de verdade e ver os afrescos, fiquei um pouco decepcionada. Mas isso deve ter a ver com o fato de que não entendo tanto assim de arte. De qualquer modo, acho que vale a visita, uma vez que o lugar tem uma enorme importância histórica, pois a família Brancacci foi expulsa pelos Médici de Florença e essa capela demorou mais de 50 anos para ficar pronta. Ela possui afrescos de Filipini Lippi e de Masaccio (já com a noção de perspectiva que o deixou famoso). Para chegar à capela, é preciso sair da igreja por uma porta lateral.

Afresco de Adão e Eva

Afrescos da Cappella Brancacci

Contudo, é inegável que a igreja mais famosa de Florença é o Duomo e se você só tem tempo de ir a uma, será ela! Funciona todo dia de 10h às 17h, sendo que na quinta só vai até 15h30 e sábado até 16h45. Aos domingos só à tarde, de 13h30 às 16h45. A entrada é gratuita, mas se você quiser subir no Domo ou no Campanário terá de pagar (não sei o preço pois não subi). A cúpula dessa igreja foi a obra da vida de Bruneleschi, que usou para sustentá-la a mesma técnica do Pantheón Romano. O afresco que decora a cúpula internamente é de Vasari, outro nome importante na pintura Florentina, e representa o juízo final. O campanário, que fica ao lado do Duomo, foi projetado por Giotto, mas não foi finalizado por ele. 

fachada do Duomo com o Campanário do lado

A cúpula de Bruneleschi

Interior da cúpula com a pintura de Vasari

o lindo piso de mosaico

o relógio astrológico
Uma outra igreja que me impressionou bastante foi a Santa Croce (Funciona de segunda a sábado de 9h30 às 17h e aos domingos de 14h às 17h) que é conhecida por ser o Panteão Florentino já que grandes personalidades estão enterradas lá como Maquiavel, Dante e Michelângelo, entre outros. O ingresso para essa igreja gótica custa 6 euros e vale cada centavo! O lugar é lindo! Cheio de afrescos e vitrais. Estava em reforma, como, aliás, a maioria dos lugares que visitei na Itália, mas isso não tirava a beleza de seu interior. 
afrescos
mais afrescos

Interior da Igreja

altar
Túmulo de Maquiavel na Santa Croce

Túmulo de Dante na Santa Croce

Túmulo de Michelângelo na Santa Croce
Porém de todas as igrejas que visitei em Florença, a que mais gostei não era nem a mais famosa, nem a mais ornamentada e nem a mais bonita mas a que me deu a maior sensação de paz e a que tinha  o afresco que mais me impressionou: A Santíssima trindade, de Masaccio, que fica na Igreja de Santa Maria Novella, bem pertinho da estação de trem de Florença.
Esse afresco tem uma enorme importância para a história da arte pois até o século 13, os pintores desconheciam o uso da perspectiva então todas as pinturas eram feitas como que num único plano. Foi Giotto que, no século 13, criou os primeiros quadros já com perspectiva, mas foi com Masaccio no século 15 que essa técnica atingiu seu auge, a ponto de Michelângelo se impressionar tanto e ir até Florença só para copiar esboços. 
Esse afresco da Santíssima Trindade causou tanto furor na época que as pessoas fizeram fila na Igreja para ver e custavam a acreditar que o que parecia tridimensional era feito em uma parede plana. Diz a lenda que algumas pessoas foram até atrás da parede para ver se ela era plana mesmo. 
Eu adorei a história do afresco e o afresco em si. E adorei a Igreja, mas foi uma impressão muito pessoal, talvez porque eu estivesse em um dia propício a isso, no entanto, não vá acreditando que é a igreja mais linda da cidade nem a que tem mais afrescos, porque não é. Mas eu tive uma sensação de serenidade quando estive lá e foi isso que me emocionou. 

Fachada da Igreja Santa Maria Novella

Afrescos e vitrais no altar

vitrais

mais vitrais

O belíssimo afresco de Masaccio: A Santíssima Trindade
Eu cheguei a visitar mais algumas igrejas em Florenças mas nenhuma que chamasse tanta atenção como essas e como esse post está ficando gigante, vou parar por aqui minhas impressões religiosas sobre essa cidade tão cheia de arte.
Arrivederci!

VIAGEM REALIZADA EM JULHO DE 2015

domingo, 13 de setembro de 2015

Florença, uma cidade cheia de arte

 Olá, amigos!
De Milão, pegamos um trem e em 2h30 estávamos em Florença, berço do Renascimento Italiano.
Passamos as duas primeiras noites em um hotel bem bacaninha chamado “Hotel Magenta”, na Via Montebello. Fica no meio do caminho, a pé, entre a Estação de trem Santa Maria Novella e o Centro Histórico de Florença. É um hotel pequeno e bem familiar, com um quarto grande e ótimo café da manhã. Depois dessas duas noites, nos mudamos para um apartamento que alugamos pelo booking e que era gigantesco! Na mesma rua, a duas quadras do hotel. Apartamento com dois quartos, sala, cozinha grande, banheiro e varanda. Nunca havíamos alugado um apartamento tão grande. Era também super bem equipado, com tudo o que se precisa para uma excelente estadia. Eu, sempre que posso, gosto de alugar apartamento nas cidades para onde vou, especialmente quando a estadia é maior que 5 dias. Dá uma sensação de que a gente mora lá. É muito gostoso ir ao mercado, fazer comida com ingredientes locais e ter a privacidade de um lugar onde não vai ter uma camareira entrando a toda hora. Há pessoas que se incomodam em ter de lavar louça numa viagem ou ter de jogar lixo fora, mas eu prefiro ter de fazer isso e garantir minha privacidade e minha sensação de estar morando naquele lugar.
Florença é uma cidade bem medieval, com ruelas estreitas, muros de pedra e uma aura bem antiga. Em cada esquina, um prédio diferente, curioso, bonito e, na maioria das vezes, visitável. Fomos a alguns deles como o Palazzo Medici-Riccardi; o Palazzo Vecchio e o Palazzo Davanzati. Esse último foi o meu preferido, pois era a casa de uma família e conserva ainda o mobiliário da época, então dá uma sensação de estarmos entrando no túnel do tempo. 
 
Palazzo Davanzati

Palazzo Davanzati

Palazzo Davanzati

Palazzo Davanzati

Palazzo Davanzati

Palazzo Davanzati

Palazzo Davanzati


Palazzo Medici-Riccardi

Palazzo Medici-Riccardi

Palazzo Vecchio

Palazzo Vecchio

Palazzo Vecchio

Palazzo Vecchio
Além desses Palazzi, fomos também  à Galeria Uffizi, o museu mais importante da cidade.  Esse ano pude fotografar as obras, o que não era possível em 2010. Então aproveitei para fotografar meu pintor renascentista preferido: Botticelli! Aliás, existe uma sala inteira dedicada a ele no museu. 
Botticelli

Botticelli

Botticelli

Botticelli
Além das obras desse maravilhoso pintor, há muitos outros quadros, pinturas e esculturas na Galeria. Vale a pena a visita, mas meu conselho é que se compre o ingresso antes no site oficial da internet pois as filas são gigantescas para quem não possui ingresso.

Quando se compra com antecedência, é só imprimir o voucher e chegar lá na porta número 1 uns 15 minutos antes da hora marcada para sua entrada. Geralmente tem pouca gente e é bem rápido trocar o ingresso, depois é só ir para a fila de quem já tem ingresso que anda bem rápido, é só o tempo de passar  no raio X e pronto: um mundo de arte e beleza estará a sua espera!
Galeria Uffizi

Galeria Uffizi

Galeria Uffizi
Lá em cima da Galeria há um café bem bacaninha (preços acessíveis) e que dá vista para o Palazzo Vecchio. Dá para tirar belas fotos, sentar e descansar um pouco e tomar um café para recarregar as energias para continuar a visita.
Saímos da Galeria pela porta de trás que vai dar na Via dei Neri, onde está a Gelateria dei Neri, uma das melhores sorveterias onde já fui. Atendimento super simpático, lugar para sentar, banheiros e o melhor: vários sabores de sorvete inusitados. Dá vontade de pedir todos! Cada um mais delicioso que o outro! Aliás, sorvete é uma coisa que os italianos sabem fazer muito bem. Foi na Itália que tomei os melhores sorvetes da minha vida!
Florença também é a cidade das Igrejas. Tem uma em cada esquina e, normalmente, o interior surpreende, mas isso é assunto para outro post!

Arrivederci! 

VIAGEM REALIZADA EM JULHO DE 2015

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Chuva que vira arte na Toscana

Ciao, amigos!

Meu último dia na Toscana amanheceu chuvoso. Ainda bem que eu não planejei ir a Siena ou a San Gimignano, senão seria frustante. Mas como eu estava em Firenze, fui fazer passeios que a chuva não poderia atrapalhar. Primeiro fui ao “Museo Bargelo”, um lugar belíssimo com esculturas maravilhosas de Michelângelo, Giambologna, Ammannati e outros. Esse é o segundo museu mais importante de Firenze, só perde para a Galleria degli Uffizzi. Custa 4 euros para entrar e vale a pena pois a quantidade de esculturas do século XIV encontradas ali é de impressionar! Além da própria estrutura do local, que já foi um palácio. Arquitetura belíssima!






Saí de lá e ainda chovia! Então fui para o “Museo e Casa de Dante” que fica ali perto. Foi a casa onde o autor da Divina Comédia viveu e tem vários escudos heráldicos mostrando passagens do livro, além de mapas de como era o mundo na época de Dante e de pinturas ilustrando algumas passagens da maior obra dele. Muito interessante.







Ao sair a chuva não dava trégua e me encaminhei ao “Palazzo Vecchio”, um lugar que descobri no meu primeiro dia em Firenze e que prometi voltar. A entrada custa 6 euros e vale cada centavo porque o lugar é simplesmente D-E-S-L-U-M-B-R-A-N-T-E!!!!!!! O salão quinhentista é de cair o queixo! Tem cada escultura belíssima!








Depois, pode-se subir para apreciar as outras salas que têm pouquíssimos móveis ou quadros nas paredes, pois os tetos e as pinturas feitas nas próprias paredes já roubam a cena! Tinha uma parede pintada com uma Vênus nascendo das águas. Não era a de Botticceli, mas era linda do mesmo jeito!
Fiquei um bom tempo no Palácio, tanto que até parou de chover, o que foi ótimo pois é muito complicado andar de guarda-chuva e câmera na mão. Almocei pizza (de novo!) e rumei para o “Giardini di Bóboli”, um jardim que fica dentro do Palazzo Pitti e para o qual se paga 10 euros para entrar (o ingresso também dá direito a visitar o Museu da Porcelana e o Museu dos Costumes, esse só de roupas de época. Minha ex-cunhada iria adorar! Pena que não pude tirar foto!).





O jardim é enorme, cheio de muros de hera, fontes e estátuas. Tem também uma bela vista de Firenze ao longe. Passeei um pouco, ouvi um pouco de música, tirei umas fotos e descansei da minha empreitada de hoje, afinal, foram 3 museus em um dia! Ufa!
Saí de lá ainda estava fazendo um solzinho tímido, tomei um sorvete e voltei para o hotel com os pés doendo de tanto andar!
Hoje foi meu último dia em Florença, amanhã de manhã pego um trem para Roma. Minha estada pela Toscana foi agradável. Gostei de Firenze apesar de achar que eles poderiam acolher melhor os turistas. Falta informação nos museus,dizendo o que é o quê, há momentos em que a gente fica meio perdida. Não existem folhetos explicativos como em Paris ou Genebra. Se não fosse o guia que comprei aqui, dificilmente entenderia as obras expostas. Aqui na Itália as coisas são um tanto zoneadas. Não é a toa que dizem que a Itália se parece com o Brasil...
Amanhã chego em Roma e sei que não vai ser melhor, pois todos dizem que Roma é bastante confusa, mas vamos ver...quem sabe dou sorte?

Arrivederci!

VIAGEM REALIZADA EM AGOSTO DE 2010