Mostrando postagens com marcador Giverny. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Giverny. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Giverny,os belos jardins do mestre Monet

Bonjour, amigos!

Hoje tive de deixar o apto, então, como eu havia planejado, fui para um hotelzinho aqui na rua ao lado. Chama-se Hotel Mont Blanc e é bem simpático. Quarto grande, ar condicionado, wifi e minha janela tem vista para a Rue de la Huchette que é uma das mais movimentadas aqui do Quartier Latin. Eu adoro!



Depois de me instalar, resolvi fazer um passeio a Giverny, o local onde ficam os jardins de Monet e que ele registrou magistralmente em suas obras. É bem simples chegar lá. O embarque é na Gare Saint Lazare (então, basta seguir o passo a passo do post anterior, da minha ida a Rouen) e deve-se comprar a passagem para parar em Vernon, que é o nome da cidade onde fica Giverny. Ida e volta custaram 25,60 euros. Preste atenção ao número do trem indicado na passagem de ida, pois, geralmente, os trens não têm Vernon como destino final. Pode ser que o trem vá para Rouen ou para Havre ou para alguma outra cidade que tenha parada em Vernon, por isso fique atento ao quadro de “depárts” na Estação. E não deixe de compostar seu bilhete (passar naquela maquininha amarela na frente da plataforma para carimbar o dia e a hora), senão estará sujeito à multa.
A viagem demora 45 minutos e, ao chegar lá, há um ônibus (aqui eles chamam de “navette”) coordenado com o horário dos trens, que leva direto a Giverny. A pé são 6 km. O ônibus custa 4 euros (ida e volta, portanto guarde seu bilhete com cuidado!), demora uns 15 minutos e, o chegar, basta seguir por uma passagem subterrânea e depois ir em direção às placas que dizem “Fundation Claude Monet”. Dica: não siga a placa que diz “acesso direto”, pois indo por ali, você não passará pelo Office de Tourisme e não conseguirá pegar um mapa. Depois da passagem subterrânea siga em frente, em direção ao Museu dos Impressionistas, que o Office de Tourisme fica a direita.




O ingresso para os jardins e a casa onde ele morou custa 6 euros (ano passado havia diferenciação. Quem quisesse ir só aos jardins pagava 4 euros e quem quisesse, além dos jardins, entrar na casa, pagava 6. Esse ano acabou. Custa 6 e pronto!) e, passando pela roleta, você está prestes a entrar em um quadro de Monet! Os jardins são lindíssimos! Foram plantados pelo próprio pintor e, ao ver tudo aquilo, a gente consegue entender por que ele tinha tanta inspiração! O lugar é mágico!



Ano passado eu fui no alto verão e os jardins estavam mais floridos, mas esse ano, indo nesse pré-outono, apesar de ter menos flores, há uma luminosidade indescritível! Tudo parece dourado. As folhas já marrons, prestes a caírem, ficam com uma cor especial quando iluminadas pelo sol. É muito bonito!



Eu não quis entrar novamente na casa (havia entrado ano passado), pois estava muito cheia e não se pode fotografar lá dentro, então fiquei ali, passeando por aqueles jardins no fim da tarde. Tirando inúmeras fotos!


Na saída, passei pela lojinha de souvenirs (se não quiser ir à falência, melhor nem levar cartão de crédito, porque dá vontade de comprar tudo! E tudo é muito caro!) e comprei só uns guardanapos que minha mãe tinha me pedido (e uma caneta e uma lapiseira. Não resisti!) e saí rapidinho antes de cair em tentação!


Fiz um lanche em um restaurante simpático com varanda. Torta de morango e cappuccino. Aliás, o melhor cappuccino que tomei aqui na Europa!


Voltei para o estacionamento para pegar o ônibus e ir para a Gare. Outra dica: ao comprar o bilhete na ida, nesse ônibus, peça ao motorista um papel com os horários de retorno. Ali também estão os horários dos trens de volta para Paris. Peguei o trem e vim ouvindo MP3 a viagem toda. Cheguei aqui e fui comer um crepe em frente à Notre Dame para aproveitar meus últimos momentos em Paris, pois amanhã vou para Nogent sur Marne, uma cidade na periferia de Paris, onde fica o apto do David, que aluguei para ficar nos meus últimos 4 dias aqui. Pretendia ir a Estrasburgo, mas ouvi dizer que terça e quarta vai haver greve na França e não sei se os trens irão funcionar. Vamos ver.

A Bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM AGOSTO/SETEMBRO DE 2010

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Ao mestre, com carinho

Bonjour!

Em minhas andanças pela internet, antes da viagem, descobri algo que me soou como um paraíso na cosmopolita Paris: Giverny! O local onde o mestre do impressionismo Claude Monet havia morado nos últimos anos de sua vida e onde ele havia se inspirado para criar suas mais belas obras de arte!
Eu soube da existência de Giverny, há alguns anos, quando ganhei um calendário com as belas paisagens de seus jardins. Tão belas que, até hoje, elas enfeitam a minha janela, criando em mim uma ilusão de paisagem, já que minha janela tem vista apenas para a janela do vizinho. Contudo eu não sabia a história daquele lugar nem o que ele provocara no grande mestre.

Não me lembro exatamente onde descobri a informação da Fundação Claude Monet, mas o fato é que esse lugar fazia parte integrante dos meus planos nessa viagem à França. Dito e feito! Depois que voltamos da Bélgica, inebriadas com aquele show de luzes que acontecia todos os dias na Grand Place, queríamos algo que superasse aquela maravilha e fomos a Giverny.

Giverny é, na verdade, uma região da cidade francesa Vernon. Não fica em Paris, embora seja bem perto (cerca de 1h15). O processo para chegar até lá é simples: A gente vai até a estação de trem Saint Lazare (caso vá de metrô, suba até o nível da estação) e lá há um guichê da SNCF de venda de passagens. Ali você pede para ir a Giverny (existem vários trens que vão para diversas cidades e param lá). O atendente era super simpático (sim, existem franceses simpáticos! Muitos, por sinal!) e nos disse que o próximo trem iria sair as 10h50 (eram 10h30). A passagem custou 25 euros (ida e volta para quem não tem, como eu, qualquer tipo de deconto. Para idosos, estudantes e menores de 26 anos o preço cai um pouco). O próprio atendente já nos disse qual era a plataforma e saímos andando bem rápido até ela, já que ficava meio distante de onde estávamos.
Chegamos, perguntei ao controlador se eu estava no lugar certo e diante da afirmativa dele, compostamos o bilhete e entramos ( "compostar" é colocar o bilhete em uma máquina amarela na frente da plataforma para ele ser marcado com o dia e a hora, caso não faça isso e seja pego, a multa é alta!). Aí era só apreciar a paisagem. Casinhas, muito campo, uma ou outra vaquinha lá longe, mais casinhas, um céu cheio de nuvens, mas muito bonito...

A cada estação uma voz avisa em francês e em inglês onde estamos parando. A nossa era a estação VERNON, que é a cidade onde fica Giverny. Acho que era uma ou duas estações depois de partirmos (não se preocupe, pois a hora prevista para chegada lá está impressa na passagem, é só ficar de olho no relógio, mesmo que você só fale ou entenda português). Saltamos,a estação é bem bonitinha, típica estação de trem de cidade pequena, bem parecida com aquelas que a gente vê em filmes europeus.
Ao sair, a gente foi seguindo pela direita até a lateral da estação onde fica o ponto do ônibus 240 (VERNON-GIVERNY). A fila era grande, mas todos são colocados dentro do ônibus que tem sua saída coordenada com as chegadas dos trens. Ou seja, se seu trem chegou e você está no ponto do ônibus, pegue aquele que está ali, mesmo que você tenha que ir em pé, pois o próximo só virá quando o outro trem chegar na estação ( e os horários são distantes, para se ter uma ideia, depois do nosso, só saía outro de Paris às 14h). Custa 4 euros (ida e volta, mas não deixe de guardar seu tíquete, pois terá de apresentá-lo para voltar).
O ônibus chega em uma espécie de descampado e dali, seguimos o fluxo. Todos foram até o busto de Monet que fica no meio do mato. Fotos, fotos, fotos e aí, é cada um por si para encontrar as placas que indicam "Museu Claude Monet" ou "Giverny" ou "Fundation Monet".



O caminho é bonito, cheio de casinhas que parecem saídas de um livro...a gente foi andando, andando, até que em dado momento, chegamos ao "Atelier des Nynpheas" e , é claro que, Ninféias lembram Monet...estávamos no caminho certo!
Logo adiante estava a bilheteria. Compramos o bilhete completo que dava direito à casa e aos jardins. 6 euros. Ali começava nossa viagem pelo universo mágico do pintor.
A gente já entra logo na loja de souvenirs que é um sonho! Dá vontade de levar tudo! Tem reproduções dos quadros de Monet, canetas, cadernos, postais, prendedores de cabelo, guardanapos, guarda-chuvas, espelhos, chaveiros, livros e mais uma infinidade de lembrancinhas com as mais famosos pinturas do mestre.
Claro que eu tive que tirar uma foto ao lado do retrato de Monet para mostrar a minha alegria em estar ali. Saindo dali (cuidado para não ser levado à falência, pois tudo é muito caro) demos de cara com os jardins de Monet. Aqueles que inspiraram o artista a criar tantos quadros conhecidos. Era tão lindo que não há palavras capazes de descrever as cores, o visual, a atmosfera, a aura daquele lugar!




Depois de andar pelos jardins entramos na casa onde Monet morou. Infelizmente não é permitido tirar fotos, mas eu consegui uma foto na internet da cozinha dele, que a parte mais linda de toda a casa! Ali a gente vê os móveis que ele usava, os pratos, as toalhas, as cortinas...é tudo tão especial...com uma atmosfera tão boa...




















Saindo da casa fui procurar a ponte japonesa, aquela que ele imortalizou em inúmeros quadros! Lá estava ela, cheia de gente, por sobre o lago com as Ninféias. Fácil entender porque os quadros de Monet são tão lindos e por quê ele pintou tanto! Morando em um lugar como este é quase impossível não se inspirar!



Ficamos ali um tempinho, observando, sentindo a aura do lugar...depois saímos e fomos tomar um chocolate quente em um restaurante ali das redondezas. Uma graça, até os pratos tem enfeites de flores!



Uma coisa que me chamou a atenção, no entanto, foi quando estávamos saindo e eu perguntei à garçonete onde era o banheiro, ela me indicou e ao chegar lá, havia duas cabines: uma com a inscrição "Reservado aos clientes do restaurante" (foi a que eu usei) e a outra com uma máquina de moedas que abria a porta com o preço: 50 centavos. Ou seja, quem não estivesse no restaurante e quisesse usar o banheiro, pagaria os 0,50 e entraria. Contudo não havia ninguém ali para fiscalizar! E quando eu estava lavando as mãos, uma mulher entrou e foi no de 0,50! Pura consciência! Pura honestidade! Pura estupefação a minha, pois tenho certeza de que, se fosse aqui, ninguém pagaria...é algo que impressiona alguém que vive sob a cultura do "jeitinho"!
Saindo dos jardins, passamos pelos campos de feno, também imortalizados por Monet em seus quadros.


Realmente a sensação que eu tinha era a de que estava perdida em algum quadro dele! Como naquele filme "Amor além da vida"...eu me sentia imersa naquelas cores, naquelas pinceladas, naquela textura, naquelas impressões...



Monet era mesmo um gênio e que felicidade foi poder conhecer o lugar que tanto o inspirou!
A Bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM AGOSTO DE 2009