Mostrando postagens com marcador Languedoc-Roussillon. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Languedoc-Roussillon. Mostrar todas as postagens

domingo, 14 de fevereiro de 2016

Nîmes: A Roma francesa

Bonjour, amigos!
Depois de uma semana em  Paris, peguei um trem para Nîmes, uma cidade na região de Languedoc-Roussillon, sul da França. Essa foi uma cidade colonizada pelos romanos há mais de dois mil anos e teve seu apogeu na época do imperador Augusto, ficando conhecida como “a Roma francesa”.
Fiquei em um apart-hotel da mesma rede Adagio, aquela que fiquei em Paris. Fica bem ao lado da estação de trem e é excelente! Quarto grande, vidro duplo na janela para evitar barulhos, chuveiro bom, calefação excelente e cozinha muito bem equipada! Tem um Carrefour bem ao lado e dá para ir a pé ao Centro Histórico. Porém, andar a pé em Nîmes não é muito agradável pois o piso da cidade é todo de pedrinhas e elas machucam o pé.   

Catedral de Nîmes
Há vários prédios que ainda mantêm a arquitetura daquela época romana como o Palácio da Justiça e a Maison Carré,  este foi um templo construído no século I a.C. e é o único templo do mundo  totalmente preservado. No interior do prédio é projetado um filme (em francês, com legendas em inglês) contando os principais fatos da cidade desde sua fundação. Funciona todos os dias de 10h às 13h e de 14h às 16h30 e o ingresso custa 6 euros.
 
Palácio da Justiça

Maison Carré

Maison Carré
Outro lugar da época romana são as Arenas, uma espécie de “coliseu” que funciona todo dia de 10h às 17h. O ingresso custa 10 euros (há também um ingresso combinado com a Maison Carré que custa 12 euros e vale a pena).  Acomoda 20 mil pessoas e até hoje acontecem touradas lá.  No momento as Arenas estão sendo restauradas (até porque, está precisando mesmo!) e a previsão é de que tudo fique pronto em 2025. Na frente dela há a estátua de um toureiro nimense e, como era início de ano, havia também uma roda gigante de um parque que foi montado para o natal e ano novo.




 Outro local com influência romana é o Jardin de la Fontaine, um parque construído no século XVIII em torno de uma fonte onde, na época romana, eram as termas. Foi o primeiro jardim público da França e, embora mal cuidado, ele é muito frequentado pelos habitantes da cidade para fazer exercícios. Vi muita gente correndo e fazendo ginástica lá.
Portão de entrada do Jardin de la Fontaine

A fonte que dá nome ao parque

Dentro desse parque há vestígios do que foi o Templo de Diana, que é do século II a.C.

Vestígios do Templo de Diana

Subindo muitas escadas também se chega  à Torre Magna, mas eu não fui até lá pois, no dia que fui ao parque, estava chuvoso e fiquei com preguiça.  Esse, inclusive, foi o mesmo motivo que me fez descobrir o ônibus que passava lá, já que eu não queria ir a pé. Há um ponto de ônibus bem em frente às Arenas e ali eu peguei o ônibus C (passagem= 1,30 euros) e saltei no terceiro ponto bem ao lado do Parque.
Outra atração que visitei em Nîmes foi o Museu de Belas Artes. Um museu pequeno, mas muito bem cuidado (ao contrário do resto da cidade) e com um acervo bem interessante.

mosaico romano dentro do museu de Belas Artes
Como fiz a maioria das minhas refeições no apart não posso indicar restaurantes, mas existem vários espalhados pela cidade e a comida não é cara.
Minha impressão sobre Nîmes é que ela não é exatamente uma cidade turística e, por isso, não é tão bem cuidada como outras da região. É bonitinha, tem uma arquitetura bacana ,mas andar nela não é fácil por causa do piso. A boa notícia é que muitos lugares da cidade estavam em reforma, o que significa que daqui a alguns anos ela vai estar bem mais cuidada e com os monumentos limpos.
Contudo, há uma coisa muito linda  nessa região da França  e que pude aproveitar bastante em Nîmes: a cor do céu! Não é à toa que os pintores impressionistas ficavam loucos com o sul do país. O céu é de um azul lindo! E no pôr do sol ele ganha cores maravilhosas! Posso imaginar que na primavera seja um deslumbre pois no inverno já era assim:




É isso, amigos. Desculpem pelo post longo, mas é que eu quis resumir tudo o que fiz nos 5 dias em que passei em Nîmes, já que a cidade não me encantou, apesar dela ter um valor histórico realmente impressionante.
Até a próxima!

VIAGEM REALIZADA EM JANEIRO DE 2016

domingo, 23 de junho de 2013

A noite numa cidade de conto de fada





Bonjour, amigos!

Carcassonne é uma cidade de conto de fada, pelo menos é o que dizem todos os guias de viagem quando se referem ao seu castelo que teria até inspirado a história da Bela Adormecida. Mas o que pouca gente diz é que Carcassonne é mais do que sua cidade medieval, conhecida como La Cité e que fica 2km para cima da estação de trem. Ali, bem ao lado da estação, está uma Carcassone atual, alegre e cheia de vida, com mercado de rua, lojinhas e até um Monoprix.
A parte de baixo é chamada de Bastide St. Louis e é bem grande, vale a pena dar uma voltinha no entorno para ver um pouco dessa parte da cidade. Caso haja mais tempo, ali existe também um passeio de barco que eu não cheguei a fazer, mas ouvi dizer que é bem interessante.
Para se chegar a La Cité pode-se pegar, em frente ao rio, que fica diante da estação, um ônibus de número 4, ele deixa exatamente na Porta principal de Carcassone, onde adentrando um pouco, à direita, encontra-se o balcão de informações turísticas onde se pode pegar, gratuitamente, um mapa da cidade. A cidade é pequena e até eu consigo andar por ela sem precisar de mapa, mas se seu tempo na cidade é curto, é bom pegar um para se chegar mais facilmente a Basílica Saint Nazare, que data do século IX e tem belos vitrais e rosáceas.
Basílica de Saint Nazare

Pôr do sol

lojinha de doces com apelo medieval

Na praça central há vários restaurantes, mas todos servem a especialidade local: o cassoulet, que é uma espécie de feijoada de feijão branco com bastante pimenta.
As lojinhas da região vendem diversos souvenirs com apelo medieval e há muitos sabonetes com aroma de violeta, a flor típica da região.
Contudo, na minha opinião, o mais interessante de Carcassonne acontece à noite: as muralhas da fortificação medieval se iluminam trazendo à cidade um ar antigo que conserva uma magia que não se perdeu no tempo. É lindo ver o castelo todo iluminado!

Castelo iluminado com a lua ao lado
Uma boa opção de hospedagem é o hotel “La Rapière” que fica bem em frente às muralhas e de onde se pode ter uma linda vista. Passar uma noite em Carcassonne é, certamente, uma experiência inesquecível.

A Bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM JUNHO DE 2013

domingo, 16 de junho de 2013

O que há para ver em Montpellier

Bonjour, amigos!

Montpellier é uma cidade que fica na região francesa de Languedoc-Roussillon. Ela tem esse nome porque antes do francês ser imposto como língua oficial, o dialeto falado aqui era o Occitan, portanto “Languedoc” é a junção de “Langue”(língua, em francês) com d’Oc ( d’Occitan) e Roussillon é o nome de uma cidade no centro dessa região. Aquela famosa perfumaria “L’Occitanne” tem esse nome em homenagem a esse dialeto antes falado nessa região.
Montpellier é uma cidade agradável, quente e cheia de jovens por todos os lados. Sua praça principal, chamada de Place de la Comèdie, por causa do teatro de comédia feito em seu centro, fica a poucos metros da estação de trem e tem vários restaurantes, além do posto de informação turística.

catedral de Saint Pierre
Montpellier, curiosamente, não tem ônibus. Seu transporte público é o tramway, uma espécie de metrô de superfície que tem 4 linhas diferentes e atravessa a cidade de ponta a ponta, incluindo a Estação de trem (gare saint Roch) e a Place de la Comèdie. Ele só não passa por dentro do centro histórico, onde está a bela catedral de Saint Pierre, em estilo gótico fundada em 1364 (funciona todo dia de 9h às 12h e de 14h às 19h). Ao lado da igreja fica a “Tour des Pins”, ou torre dos pinheiros, uma das duas torres que sobraram das antigas muralhas da cidade, que data do século X. A outra é a “Tour de Babote”, que tem uma pracinha atrás dela com simpáticos restaurantes de comida natural.

Tour de la Babote
A linha 1 (azul) do tramway leva também até o Odysseum, um bairro planejado como centro de entretenimento com restaurantes, cinema, boliche, pista de patinação e planetário. Ali dentro existe um hipermercado fantástico (fica no andar de cima) que tem uma seção de queijos de dar água na boca. E essa linha passa ainda pela bairro de Antigone, um conjunto residencial pós moderno onde está uma filial da Gallerie Laffayette, de Paris.

Lafa de Montpellier

tramway linha 1

ponto de tramway com máquinas para comprar o bilhete (em todos os pontos tem uma dessas)

máquina que vende bilhetes de tramway, só aceita moedas ou cartão de crédito com chip
Outro atrativo de Montpellier é seu famoso museu Fabbre (13, rue Montpellierèt, funciona de terça a domingo de 10h às 18h e custa 6 euros) que tem um acervo imenso, com mais de 900 obras de arte desde o século XV até os dias de hoje. Pessoalmente, eu não gostei muito desse museu, mas ele é um dos mais importante da cidade, talvez por ter sido fundado por Napoleão em 1803.

museu Fabbre

Museu Fabbre

Montpellier é uma boa cidade para se usar como base para conhecer tanto a região de Languedoc quanto a região da Provence, já que tem trens direto para quase todas as cidades, além disso, é uma cidade cuja hospedagem é barata e cujos habitantes são muito simpáticos, talvez por ser uma cidade universitária, talvez por ser verão.
O fato é que, apesar dos muitos árabes e africanos que vemos por aqui, Montpellier me pareceu ser segura e com uma boa estrutura para uma cidade pequena.

A Bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM JUNHO DE 2013

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Carcassone: uma cidade de contos de fada

Bonjour, amigos!

Hoje fomos a Carcassonne, uma cidade medieval no sul da França. Minha história com essa cidade começou quando eu li em um guia que ela era uma cidade medieval que havia inspirado a história da Bela Adormecida. Como adoro histórias infantis, achei que deveria ver isso de perto!
Pegamos o trem que partia às 7 da manhã de Montpellier, ou seja, acordamos super cedo! Na verdade eu tinha a intenção inicial de pegar o trem de 9 horas, mas qual não foi a nossa surpresa quando descobrimos que não havia mais vaga para reserva pelo passe nesse trem? É que compramos um passe Eurail que dá direito a sete dias de viagem em um período de 2 meses entre França e Espanha, contudo, apenas o passe não é suficiente para determinados tipos de trem, é preciso também fazer a reserva, só que como há um número finito de vagas para reserva do passe, se você chega muito perto do dia de viajar, corre o risco de não conseguir, principalmente no verão que é quando todos os europeus saem de férias e lotam os trens por aqui.
Há possibilidades de se ir nos trens que não necessitam de reserva, mas nesse caso, temos que seguir os horários desses trens, o nosso era às 7 e chegou em Carcassone às 08h45. A gare fica na parte baixa da cidade, chamada de “ ville basse” ou “Bastide saint Louis”, mas o centro histórico, que era o que nos interessava, fica um pouco longe em um local conhecido como “La Cité”. É fácil de chegar: saindo da Gare, atravesse a ponte sobre o rio e na pracinha à direita, em frente a um hotel chamado “Terminus” há o ponto final do ônibus número 4 que te deixa em frente ao Centro Histórico. Na volta é só atravessar a rua, em frente a onde o ônibus te deixou e pegar o mesmo ônibus até a gare. Custa 1,20 euros a passagem.



Carcassonne ficava num ponto estratégico entre a França e a Espanha e por isso era disputada por elas, o que a levou a erguer duas muralhas em volta da cidade e não apenas uma como era de costume nas cidades medievais do século XIII. Depois de guerras e pestes, a cidade ficou meio esquecida e abandonada por vários séculos, até que no século XIX, o arquiteto Violet Le-Duc (o mesmo que reformou a Notre Dame de Paris) fez da reforma de Carcassonne o projeto de sua vida.
Começamos a visita entrando pela Porta Narbonnaise, passamos no centro de informações turísticas para pegar um mapa e fomos passear pelas ruas ainda vazias. Primeiro fomos a Basilique Saint Nazaire (aberta de 9 h às 18 h), entrada gratuita. Seu estilo é uma mistura de gótico com romanesco e lá dentro descobri um fragmento da Pedra do Cerco, que retrata o período das cruzadas contra os Cátaros na cidade. Essa basílica começou a ser construída no século IX e possui o mais antigo órgão da França.



pedra do Cerco

De lá fomos conhecer o “Chatêau Comtal, , do século XII, o tal da história da Bela Adormecida. Ele é cercado por um fosso e 5 torres. Exitem dois tipos de visita, uma comum, onde você mesmo segue o fluxo (custa 8,50 euros) e outra guiada onde você vai a lugares dentro do castelo em que só é possível chegar com o guia (mais 6,50 euros, além dos 8,50). Fizemos a primeira. Há um filme de uns 20 minutos logo, na entrada, que conta a história da cidade e sua reforma (narrado em francês e com legendas em inglês e espanhol). Muito interessante! Há também remanescentes de objetos arqueológicos que formam descobertos no local. Demoramos umas duas horas dentro do castelo.

pátio
interior do castelo

vista de dentro do castelo

Almoçamos em um restaurante chamado “Auberge de Dame Carcas” (3, Place du Château) onde há menu com entrada + prato + sobremesa a 15 euros. Bem gostoso. O nome desse restaurante vem da lenda da cidade. Conta a história que durante o cerco de Carlos Magno, a população da cidade já faminta estava quase se rendendo quando Dame Carcas, mulher de um nobre, pegou todo o trigo que sobrava na cidade, alimentou o último porco e o lançou através das muralhas. Ao cair do outro lado, o animal se espatifou mostrando todo o trigo dentro de si  e o exército de Carlos Margno pensou: “Há tanto trigo sobrando nessa cidade que eles alimentam com ele até os porcos, eles nunca vão se render” e retiraram as tropas. Para que a população soubesse de quem foi a ideia brilhante, mandaram soar os sinos gritando “Carcas sonnes” (em francês: “ Carcas soa”) e daí veio o nome da cidade.
Não sei se a historia é verdadeira, mas é bonitinha.

Após o almoço fizemos um passeio de trenzinho pelo entorno das muralhas (duração de 20 minutos a 7 euros por pessoa) e depois fomos ver um Festival Medieval que acontece apenas nos meses de julho e agosto na cidade. Ele remonta às justas medievais onde cavaleiros se enfrentavam com lanças e cavalos. É bem diferente.

Saímos um pouco antes do show acabar, pois não queríamos perder o último trem de volta a Montpellier. Chovia quando pegamos o ônibus número 4 para voltar à estação. Aliás, um conselho para quem pretende conhecer a cidade: mesmo que seja verão, leve casaco e guarda-chuva, pois venta demais lá! Um vento bem gelado. E chove! Ou melhor: dá pequenas pancadas de chuva entremeadas com um lindo sol, por isso não se engane: leve agasalho!
Outro bom conselho é ir cedo, pois quando chegamos (9 h da manhã) havia pouca gente e as filas estavam pequenas, entretanto, após o almoço a cidade fica de um jeito que só se caminha em fila indiana! Uma loucura!
Carcassonne é uma bela cidade medieval, com encantos que só são possíveis de serem vistos aqui na Europa, já que no Brasil não existiu Idade Média.
Au Revoir!

VIAGEM REALIZADA EM JULHO DE 2011

terça-feira, 19 de julho de 2011

Viagem à Montpellier, uma cidade no sudoeste da França

Bonjour, amigos!

Saímos de Paris hoje cedo. Pegamos o ônibus 63 e fomos até a Gare de Lyon para pegar o trem que nos levaria a Montpellier, cidade no sudoeste da França. É muito mais fácil ir para as gares de ônibus, principalmente porque estamos com uma grande e pesada mala, então as escadas do metrô seriam bem complicadas.
O trem saiu no horário e a viagem corria bem até sentar na nossa frente uma mãe com uma criança que não parava de falar um só minuto! Parecia que ela tinha engolido a pílula falante da Emília, personagem de Monteiro Lobato, pois ela só calou a boca no fim da viagem, quando a mãe conseguiu fazê-la dormir um pouco. Ufa! Por que será que as crianças falam tão alto?


Chegamos tranquilamente e fomos reservar nossos próximos trens, contudo, por ser alta temporada, as reservas estavam esgotadas. Resultado: Teremos que viajar sem reservas, correndo o risco de não termos assentos. Mas é um risco que se corre quando se viaja no verão europeu.

Achamos facilmente nosso hotel chamado “Hotel de Paris”, ele fica logo na saída da gare, muito bem localizado, com várias lojas por perto como mercados, restaurantes e até lavanderia. Dá para fazer quase tudo a pé. O staff do hotel é bem simpático e o quarto, além de grande e limpo, tem ar condicionado! Recomendo esse hotel! Bom e barato!  Para quem for à Montpellier, vale a pena!
Saímos para conhecer a cidade. Almoçamos uma massa em um restaurante na praça central e fomos a um museu chamado “Languedocien” com um acervo que vai desde o império Romano até a idade média. Muito bonito! Inclusive o prédio do museu era sobre umas ruínas romanas e o pátio interno tinha uma arquitetura belíssima, o único senão era não podermos fotografar lá dentro.


Depois fomos ao “Promenade du Peyrou”, uma espécie de parque onde estão os antigos aquedutos romanos. O lugar é muito bem conservado e bem bonito.


Aliás, Montpellier foi uma grata surpresa, pois a cidade tem uma bela arquitetura e parece ser bem animada, já que tudo fecha tarde.
Amanhã vamos conhecer Carcassonne, uma cidadezinha medieval a uma hora daqui.
Au Revoir!

VIAGEM REALIZADA EM JULHO DE 2011