Mostrando postagens com marcador Madri. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Madri. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 1 de março de 2016

Uma deliciosa volta à bela capital da Espanha

Hola, amigos!
Saí de Nîmes pela manhã, peguei um trem e 5h30 depois eu estava descendo na estação Atocha em Madri. Fiquei em um hostal chamado Maria Luisa, numa rua transversal a Gran Via e bem pertinho da estação de metrô de mesmo nome.  Foi fácil chegar de metrô, já que eram apenas 5 estações desde a estação Atocha Renfe. Sem precisar de baldeações, o que facilita muito quando se está de mala, contudo, minha mala não está leve e foi complicado subir algumas escadas no metrô com ela.  Saí do metrô e adivinhem? Estava chovendo! Pois é...em viagens temos que lidar com alguns imprevistos. Ainda bem que eu estava com meu casacão impermeável já que usar guarda-chuva seria impossível carregando mala, mochila e bolsa.
O hostal era perto e não tive de andar muito tempo na chuva. Ele tinha elevador, mas para chegar lá era preciso subir 2 ou 3 degraus com a mala. A moça que me recebeu era bem simpática e o pagamento é feito na chegada. O quarto era grande, com cama de casal, embora eu tenha reservado um quarto individual, ar condicionado (que obviamente não usei), TV com vários canais, frigobar e banheiro no quarto. O único inconveniente era a calefação que era ligada e desligada pelo pessoal do hostal. No quarto não há controle sobre isso e passei frio em algumas horas da noite. Mas se não for inverno, acho que é uma boa alternativa de hospedagem já que a localização é maravilhosa! A região é cheia de lojas, restaurantes, bares, mercados (tem um Carrefour a uns 20 metros do hotel), tem metrô e ônibus e dá para ir a pé a vários pontos turísticos da cidade. Passei apenas 3 noites em Madri, pois eu já conhecia a cidade, mas foi um retorno bem agradável já que vi uma Madri diferente dessa vez.
Nos dias seguintes, a chuva parou e um lindo céu azul se abriu sobre a cidade. Aproveitei pra passear um pouco e ver lugares bem lindos já que Madri  é uma cidade de belos prédios, com ruas largas e alguns monumentos bem bonitos.  Fui rever alguns lugares onde eu tinha estado em 2011 como a Plaza Mayor e a Puerta del Sol.

Plaza Mayor ao anoitecer

Pôr do sol na Puerta del Sol
Fui ao Museu Thyssen-Bornemisza numa segunda-feira à tarde pois nesse dia a entrada é gratuita (nos outros dias custa 10 euros). Esse museu é lindo! Com acervo enorme e riquíssimo! Muitas e muitas salas de tirar o fôlego em seus 3 andares. Realmente, para quem gosta de arte, é um museu imperdível! E dentro dele há um café que tem um cardápio variado e não muito caro. Vale a visita.
Outro lugar bem interessante de visitar em Madri é o Mercado San Miguel, um lugar delicioso, onde podemos comer lá mesmo ou comprar algo para comer depois ou ainda comprar frutas e legumes. Tudo com qualidade excepcional e bem gostoso, além de bonitos.

Entrada do museu

Quadro de Ghirlandaio



Mas, sem dúvida, o lugar mais interessante e bonito que fui dessa vez foi a Plaza de Toro de las Ventas. É a arena, onde, até hoje acontecem touradas. É super fácil de chegar lá. Basta pegar o metrô e salta na estação Ventas. Subindo a escada já se dá de cara com a Plaza. Uma arquitetura belíssima, de tirar o fôlego mesmo! 



O  ingresso custa 14 euros e a gente recebe um áudio guia que vai nos explicando tudo lá dentro. É bem bacana. Eles contam a história da arena e de seus mais famosos toureiroscomo Belmonte e Manolete. Eu não sou contra e nem a favor das touradas. Acho que cada país tem sua cultura e não cabe a mim, que nem faço parte daquele lugar, julgar qualquer coisa. Gosto de conhecer as diferentes culturas e de tentar entendê-las dentro das possibilidades que minha realidade permite, porém, nunca se apreende de todo a cultura de um lugar onde não nascemos e onde não fomos criados.  De qualquer modo eu fiquei bem emocionada ao entrar naquela arena onde tantos touros e toureiros foram mortos.

Fiquei muito encantada com a arquitetura do lugar, toda em estilo mourisco e muitíssimo bem conservada, tanto interna como externamente. No fim de tudo há um museu taurino, com quadros e roupas de toureiros, inclusive uma cheia de sangue do Manolete  , um toureiro bem famoso que morreu ali.


Na área externa da arena, há uma estátua em homenagem ao médico Dr. Fleming, o descobridor da penicilina, já que essa descoberta possibilitou a cura de muitos toureiros que, antes, morreriam devido às bactérias das chifradas.


Para quem é consumista, ali mesmo na Gran Via, perto do metrô, tem uma enorme loja da Primark, que é uma espécie de loja de departamentos com tudo o que se pode imaginar em termos de roupas, sapatos, acessórios, maquiagem e outras coisas mais a um preço incrivelmente barato! Acho que são 5 ou 6 andares! Enfim, se você vai em época de “rebajas”, leve uma mala extra (ou compre uma ali mesmo na Primark) porque você vai precisar!
E para coroar essa minha estadia que foi tão agradável em Madri, eu tinha que voltar ao Churros San Ginés, uma loja onde os churros finos e sem recheio são servidos com uma xícara de chocolate meio amargo daqueles grossinhos. A gente molha o churros no chocolate e come! É delicioso!!!



Gostei muito de ter voltado a Madri dessa vez. A cidade é linda, tem uma energia boa e pude conhecer alguns lugares onde eu não tinha conseguido ir em 2011.

Até a próxima!  

VIAGEM REALIZADA EM JANEIRO DE 2016

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Aniversário em Madri

Hola, amigos!

Hoje é aniversário da minha mãe e, para comemorarmos, fomos ao Museu Reina Sophia, onde está a famosa obra de Picasso chamada “Guernica”, pois é um quadro que minha mãe adora e não poderíamos vir a Madri sem vê-lo. Esse museu foi um anteriormente um hospital, mas em 1992 foi convertido em museu. Picasso pintou “Guernica”para mostrar os horrores da guerra civil espanhola. O quadro representa o ataque à cidade basca de Guernica e acabou se tornando a representação de um protesto contra todos os tipos de guerra. Esse quadro passou muito tempo fora da Espanha, pois Picasso pediu, antes de morrer, que o quadro só retornasse ao país quando fosse estabelecida aqui novamente a democracia. Ao fim da ditadura de Franco, o quadro retornou e está hoje no Reina Sophia, um museu bem simpático. Custa 6 euros a entrada e várias alas podem ser fotografadas (menos Guernica, é claro!), mas há muitos quadros de Dalí, um dos meus pintores modernos preferidos, então aproveitei para fotografá-los.




O jardim do museu é muito gostosinho, ficamos um tempo ali descansando antes de seguirmos para a Catedral de Nossa Senhora de la Almudeña, padroeira da cidade. No meio do caminho, esbarramos com o “Mercado de San Miguel” o mercado local, que como todos os mercados europeus é lindo! Colorido, cheiroso e dá vontade de comer tudo! Escolhemos um salgadinho de queijo típico de Madri que era de comer rezando!!! MARAVILHOSO!




Por falar em rezar, dali fomos direto à igreja, que é linda! Repleta de vitrais coloridos e tetos de deixar o pescoço doendo! Sem falar nas capelas riquíssimas. A história dessa igreja começa em 1085, quando o rei Afonso VI encontrou, na muralha da cidade, uma imagem de Nossa Senhora, então ele deu a ela o nome de “Almudeña”, que, em árabe, significa muralha. A partir de então ela tornou-se a padroeira de Madri.




Dali fomos até o Palácio Real, mas como estava muito calor e já estávamos com fome, decidimos não entrar, só tiramos algumas fotos da fachada.


Almoçamos na Plaza Mayor, onde comemos uma verdadeira Paella à Valenciana! Deliciosa! Aliás, a comida daqui é muito boa. Farta e barata. Gostei muito!


Depois do almoço voltamos para o hotel para arrumar as malas, pois amanhã retornaremos à Barcelona.
Minha impressão de Madri foi muito boa! A cidade é linda, com belas fachadas, pessoas simpáticas, comida boa e ótimos preços. Ouvi dizer que era perigosa, mas vi tantos policiais nas ruas que me senti bem segura. O único problema daqui são as ladeiras que me incomodam bastante, principalmente nesse calor que faz no verão. Mas eu me encantei mais com Madri que com Barcelona, a despeito de tudo o que dizem.
Hasta Luego!

VIAGEM REALIZADA EM JULHO DE 2011

domingo, 24 de julho de 2011

Um templo egípcio e um museu em Madri

Hola, amigos!
Acordamos tarde hoje, estávamos podres de ficar de dois em dois dias carregando malas por esses trens europeus. Desistimos de ir a Plaza de Toros. Eu queria muito conhecer a cultura de touradas espanhola, mas fica pra outra oportunidade.
Resolvemos ir ao Egito, ou melhor, a um templo egípcio que fica no meio da cidade (mais uma dica do blog http://turomaquia.com/). Esse templo foi um presente do governo egípcio à Madri pela ajuda espanhola recebida em 1960 para salvar os templos naquele país. O templo é dedicado a Ísis e Osíris, tem 2200 anos e foi reconstruído o mais fielmente possível ao original. A entrada é grátis, pode-se tirar fotos sem flash e fica aberto nos fins de semana até as 14h.



Dali pegamos o metrô até o Museu do Prado, afinal, não poderíamos ir a Madri sem visitar o Prado. Só compramos o bilhete para a exposição permanente. 8 euros cada. Muito cara para um museu que não permite fotos nem sem flash. As bolsas passam por um raio x, mas mochilas não são permitidas, portanto vá com uma bolsa pequena se quiser ficar junto dos seus pertences.


Logo na entrada, alugamos o audioguia (em espanhol, pois não tinha em português) por 3,50 euros e fomos ver as obras de Veronese, Tiziano, Velasquez, Rubens, Goya e El Greco. Todas muito bonitas, mas sem poder tirar foto, perde um pouco a graça. Saímos de lá duas horas depois e fomos almoçar na calle de Huertas, uma rua muito bonitinha pela qual nos apaixonamos. O lugar se chama “Bodeguilla Los Rotos”(número 74), comemos muito bem e muito barato! Encontramos mais brasileiros, trocamos mais informações e depois viemos para o hotel descansar.


Mais tarde fomos ver a cidade iluminada, mas Madri não tem tantas luzes à noite. Passamos na Chocolateria San Ginés, que tem um famoso churros com chocolate.




Uma delícia! Dali fomos à Plaza Mayor ver se estava acontecendo algo interessante e estava! Tinha um show de vários grupos de dança típica espanhola. Lindo!
Hasta Luego!

VIAGEM REALIZADA EM JULHO DE 2011

Ida para Madri de AVE


Hola, amigos!

Saímos cedo de Barcelona para pegar o trem AVE até Madri. São 3h15 de viagem em um trem bem confortável. É engraçado como os controles mudam de um país para o outro. Quando saímos de Montpellier para Barcelona não houve qualquer controle nas passagens e quando chegamos na estação espanhola o guarda mal olhou nossos passaportes. Aqui na Espanha tudo é bem controlado: há um código de barra na passagem que é passado pelo funcionário da ferrovia e as bagagens passam por um raio X.
A viagem foi tranquila e chegamos por volta de 13h30 em Madri, só que tivemos que enfrentar outra daquelas filas com senha para comprar a passagem para Toledo. Dessa vez durou apenas uma hora. Passagens compradas, pegamos o táxi e fomos até a Puerta del Sol, onde fica o Hostal Ana Belen, onde nos hospedamos. Muito limpo, quarto grande, tv, conexão ADSL de internet e ar condicionado. Fica bem na saída do metrô. Melhor localização, impossível! Dica do blog Turomaquia (http://turomaquia.com/), que está entre os meus blogs preferidos.
Depois do check-in, fomos dar uma volta na cidade e comer alguma coisa. Descobrimos que Madri não é plana! Ladeiras e mais ladeiras para todo lado e como está calor, fica ainda mais difícil...também descobrimos que a crise está pesada aqui na Espanha. Chegamos em um época de liquidações, está tudo tão barato que nem se acredita. Vimos sapatos a 5 euros! Vimos também muito mendigos nas ruas e muitas manifestações públicas para que o governo pare de apertar tanto o cinto das pessoas. Tem o lado bom de estar tudo barato, mas tem o lado triste de ver como um continente inteiro está indo à bancarrota pouco a pouco.
Fomos até a Plaza Mayor, lugar onde aconteceram, durante séculos, os mercados públicos, as peças de teatro ao ar livre, a praça de touros, o local de enforcamentos de criminosos, as sessões de inquisição e as cerimônias de humilhação e castigo dos acusados de heresia e bruxaria. O local é enorme e muito bonito. Almoçamos em um restaurante bem baratinho que encontramos ali. Comida boa. Saiu tudo por menos de 20 euros, para duas pessoas!!
Depois fomos passear um pouco pelas ruas no entorno da praça, mas como estávamos cansadas, decidimos vir cedo para o hotel para descansar.
Hasta Luego!

VIAGEM REALIZADA EM JULHO DE 2011