Mostrando postagens com marcador Paris. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Paris. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 17 de novembro de 2015

A luz de Paris não se apagará



Em princípio eu não ia me manifestar aqui no blog sobre os atentados que assolaram Paris na última sexta-feira, 13 de novembro. 
Mas como ficar calada e impassível quando a cidade que é o maior símbolo do pensamento livre no mundo foi atingida tão barbaramente?? 
Paris é minha cidade do coração e atingi-la dessa forma estúpida e cruel faz meu coração sangrar. 
Felizmente nenhum dos meus amigos ou conhecidos estava na região dos atentados. Ninguém que conheço ficou ferido ou morreu, mas ainda assim, chorei pelas dezenas de feridos e mortos desconhecidos. Sofri a cada notícia que via na TV, a cada leitura na internet. Como disse Ricardo Freire no seu blog Viaje na Viagem: "Foi a 10 mil km, mas parece que foi a 3 quarteirões de casa".

Contudo, o que mais me comoveu foram as manifestações de solidariedade como o movimento que surgiu no twitter com a hastag #porteouverte , em que diversos franceses abriram suas casas para abrigar as pessoas que estavam nas ruas e não conseguiam voltar para a casa/hotel no meio da confusão, já que ruas e metrôs foram fechados pela polícia. 
É de uma generosidade e de uma coragem imensas imaginar que alguém vai abrir suas portas a um desconhecido em meio a ataques terroristas daquela magnitude. 
Outra demonstração de solidariedade foi a dos taxistas que desligaram seus taxímetros e colocaram o máximo de pessoas dentro de seus carros e as levaram para longe do tumulto. 

Eu não sei, realmente, o que está por trás desses atentados, se é uma questão política, geográfica, religiosa ou tudo junto, mas o que sei é que essa gente que amarra, voluntariamente, um colete cheio de bombas ao corpo não pode ser normal!  
Qualquer tipo de fanatismo é abominável, porém mais abominável ainda é ouvir gente falando que "a França foi avisada quando teve o atentado do Charlie Hebdo em janeiro e eles tinham de ter parado de falar mal da religião islâmica"...esse pensamento é igual dizer que uma mulher merece ser estuprada porque provocou o cara usando minissaia. Absurdo! Onde está a lógica de pensar que num país laico e com liberdade de expressão em que esses pilares são a LEI, uma religião deve se sobrepor a essa lei? Em que país laico seria possível aceitar que uma religião fosse mais importante que a lei?? 
Mas o pior é que nem preciso ir muito longe, pois no Brasil o fanatismo religioso cristão (seja ele católico ou evangélico)  vem beirando o absurdo no congresso nacional! Mas isso não é assunto para esse post...

Nos últimos dias tenho chorado por Paris não apenas porque eu amo a cidade mas porque o que esse estado islâmico cruel tentou atingir não foi somente uma cidade, mas sim os pilares da vida na França. A França, e Paris em especial, representa tudo o que eles mais temem e por isso odeiam. Porém, sei que os franceses, passado o luto, irão retomar sua rotina, voltarão a ir a bares, shows e a se divertir em cafés e restaurantes porque esse é o modo de vida francês. Os jornais satíricos continuarão fazendo sátira seja de Maomé, seja do Papa ,seja da política ou seja de qualquer outro assunto que mereça uma sátira. E não venha me dizer que pessoas devem morrer por causa disso.

A luz, símbolo de Paris (seja pelas ideias iluministas, seja pela luminosidade que a cidade exala deixando claro o seu esplendor) incomoda aqueles que vivem nas trevas do fanatismo. Podem tentar ofuscar essa luz. Podem fazê-la tremular, mas jamais a apagarão, pois Paris é o berço do pensamento livre, da laicidade, do "savoir vivre" e dos direitos humanos e esses valores nenhuma arma ou bomba será capaz de apagar! 

domingo, 23 de agosto de 2015

De volta a Paris (e muito feliz!)

Olá, amigos!
Depois de mais de 2 anos sem viajar para a Europa, finalmente esse ano pude retornar ao Velho Continente para passar alguns dias na minha amada Paris e em algumas cidades italianas.
Esse ano, aproveitei que minhas férias foram em data diferenciada e fui com minha mãe a Paris para ver a festa do 14 juillet. Essa é a festa mais importante para os franceses pois é a data que marca o início da Revolução Francesa e a Queda da Bastilha.
Nesse dia os parisienses podem assistir a um desfile militar na Champs Elysées e, à noite, a uma queima de fogos na Torre Eiffel. Optamos por não assistir ao desfile, pois passamos o dia inteiro passeando por uma Paris deserta (já que toda a população devia estar concentrada na Champs Elysées) e aproveitando para conhecer lugares pouco turísticos.

caminhando por ruas pouco turísticas de Paris

Em cada cantinho, uma surpresa

Em cada esquina, uma beleza

Esse ano ficamos hospedadas perto da Torre, um bairro em que nunca havíamos ficado antes e gostamos muito! Lugar cheio de vida, com restaurantes, bistrôs, mercados e lojas por todo lado. Aproveitamos para passear pela Pont Bir Hakein, uma ponte por onde o metrô passa por cima e onde, embaixo, trafegam carros e pedestres. Dali há uma linda vista para a Torre e mais abaixo , bem no meio da ponte, há um acesso para um parque bem bonito, arborizado,  com bela vista do Sena e da Torre. Fomos lá na manhã do 14 de julho e a paz do lugar era de encantar!

Pont Bir Hakein

Pont Bir Hakein


Vista da torre a partir do parc no meio da Pont Bir Hakein
Aproveitamos para ver umas amigas que moram em Paris e conhecemos um lugar muito bacana, cheio de restaurantes, chamado Bercy Village, bem perto do Parc de Bercy e na saída do Metrô Cours Saint Emilion.


Dessa vez também fiz um passeio que já estava planejado há tempos mas eu nunca achava tempo: a visita guiada ao Teatro Opera Garnier. O lugar é um deslumbre! Cheio de detalhes de diversas épocas e com muita história para contar. A visita guiada é mais cara que a vista comum. Esta custa 10 euros e a guiada, 14,50, porém, só na visita guiada se pode entrar na sala de espetáculos e apreciar o belíssimo teto pintado por Chagall. Curiosamente, esse nunca foi um dos meus pintores preferidos e nunca imaginei que ficaria encantada com a beleza  daquele teto, mas as cores e toda a simbologia contidas naquela pintura me deixaram de boca aberta! É lindo demais!!


Teto do Opera pintado por Chagall

detalhe do teto



O teatro em si é muito bonito, tanto interna quanto externamente e seria necessário pelo menos um semestre de aulas em história da arte para começar a compreender todos os detalhes ali presentes.  Recomendo muito a visita ( mas só para quem entende inglês ou francês, que são as línguas oferecidas).
Ao lado do Opera fica a Rue Scribe, onde no número 11, fica a maravilhosa loja da Lindt, um dos melhores chocolates que já comi na vida (suíço, né?). A loja é enorme, os preços são ótimos e o atendimento é muito simpático. Vale a visita.
Nossa estadia em Paris foi bem curta dessa vez, já que nosso foco era a Itália, mas certamente o ponto alto desse ano foi o show de fogos em frente à Torre Eiffel no 14 de julho. 





Começou por volta de 23h e acabou quase meia noite! Foram mais de 40 minutos de pirotecnia e o mais incrível é que estávamos no meio da multidão e não se ouvia ninguém aos berros, nenhuma briga, nenhuma confusão. Foi lindo e não me arrependi de ter ido ver essa festa francesa tão linda!


A bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM JULHO DE 2015

sábado, 19 de abril de 2014

Síndrome de abstinência

Olá, amigos!

Já tem mais de 3 meses que não viajo e minha última viagem à Paris já vai fazer um ano....acho que estou com síndrome de abstinência. Ando precisando viajar urgentemente!
Esse ano meus dias ganharam novas prioridades e, provavelmente, não vou viajar muito. Na verdade, estou bem feliz com o rumo que minha vida está tomando, mas não posso negar que sinto uma imensa falta de sair por aí desbravando novas cidades, novos países, novas culturas e novas línguas.
Porém, de tudo, acho que o que mais sinto falta é de Paris. Minha outra cidade. Meu universo paralelo. Meu mundo dentro da Europa. É lá que me encontro, que me sinto em casa. Impossível ir à Europa sem passar por Paris.
Queria ter duas vidas paralelas. Uma delas seria toda vivida lá, em um studiozinho no Quartier Latin, entre cursos na Sorbonne e visitas a museus e livrarias. E no final do dia, iria ao Parvis só para ver o meu amor se acender. Ela: a Notre Dame!
Sinto falta do cheiro de Paris, um misto de fumaça de cigarro e baguete saída do forno. Sinto falta do gosto de Paris, uma mistura de éclair de chocolate e sopa de cebola. Sinto falta de passear pelo Sena, só pra ver a Torre Eiffel de um lado e a Notre Dame do outro. Sinto falta do Louvre com sua pirâmide imponente e suas salas cheias de conhecimento, cultura e história. Mas sinto falta, principalmente, da sensação de chegar em casa toda vez que subia a escada do metrô Saint Michel ou toda vez que voltava das compras no Monoprix.
Paris é minha casa sentimental. Não há como ser triste em Paris. Mesmo com dias frios, com chuva, com o trânsito caótico na hora do rush, não há como não estar feliz ali.
Claro que ela tem problemas, como qualquer capital, mas deve ser muito bom poder viver na cidade com a qual se tem um caso de amor, mesmo que, vez ou outra, haja uma briguinha.
Paris, tu me manques! Exatamente assim, literalmente! Você me falta. É como se Paris fosse um pedaço da minha alma e essa alma só fica completa quando estou lá.

A Bientôt!

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Restaurantes nem tão caros em Paris

Bonjour, amigos!

Paris é mundialmente conhecida pela sua gastronomia, contudo, as pessoas que viajam com um orçamento mais apertado ficam com receio de ir aos restaurantes mais renomados achando que vão gastar muito, porém nem sempre isso é verdade. Há restaurantes famosos em Paris, com comida deliciosa e cujo preço é pouco mais caro que aqueles restaurantezinhos que se encontra pelas ruas com suas “fórmulas do dia” (entrada + prato+sobremesa).
Um desses bons restaurantes, principalmente para os amantes da carne vermelha, é “Le Relais de l’entrecôte”, que fica no número 20 da rue Saint-Benoît em Saint Germain des Prés (Há uma filial também no 101, Boulevard du Montparnasse). É bom chegar cedo (ele abre as 19h), pois há fila na porta. Não existe cardápio, pois o prato servido é único: entrecôte com um molho de mostrada, batatas fritas e uma salada verde, ao custo de 25,80 euros. São duas rodadas de carne. Eles primeiro servem a salada, depois a carne com molho e batatas. Quando você acha que já está satisfeito, vem outra rodada de carne com batatas. Tudo muito gostoso e atendimento simpático.


Saladinha de entrada no "Le Relais de l'Entrecôte"


Carne deliciosa no "Le Relais de l'Entrecôte"
Outro restaurante famoso que não é tão caro como se pode imaginar é o “Le Fumoir”, ao lado do Louvre no número 6 da rue de l'Amiral de Coligny. O menu com entrada+prato+sobremesa custa em torno de 25 euros também. E a comida é simplesmente DELICIOSA, sem falar no ambiente, já que o restaurante tem uma espécie de biblioteca em seu interior. O atendimento é também um de seus pontos altos.
Entrada no "Le Fumoir"


Acompanhada de truta com risoto de rúcula como prato principal no "Le Fumoir"

Para finalizar, no "Le Fumoir", uma sobremesa nada light: bolo de chocolate com creme de laranja
Mais um restaurante que conheci em terras parisienses e que vale a pena é o “Le Ragueneau”, no número 202 da rue Saint Honoré, bem perto do Louvre. Ali era um antigo teatro, onde Moliére já havia encenado e que também ficou conhecido por ser o local onde Edmond Rostand, escritor da peça Cyrano de Bergerac, costumava frequentar. O menu com prato+sobremesa custa menos de 24 euros e a comida é muito bem servida.


Prato principal para uma pessoa (grande, né?) no “Le Ragueneau”


o Menu acompanha a sobremesa. Escolhi esse singelo Profiterolis no “Le Ragueneau”

E há o meu preferido entre todos. O restaurante tido como mais antigo de Paris: Le Procope. Fica no número 13 da rue de l’Ancienne Commedie e tem menu a 29 euros (entrada+prato+sobremesa), atendimento excelente e uma história fantástica, pois era ali que os revolucionários como Robespierre e Danton tramaram a Revolução Francesa. Claro que, naquela época, ele não era o restaurante chique que é hoje, mas eu adoro ir a locais com história. E isso pode-se ver muito na França. Esse é um país que preserva sua história e estimula os jovens a aprenderem sobre ela. Sinto falta disso no Brasil...

Confit de Canard maravilhoso no "Le Procope"
Acompanhado desse imenso creme Brullé simplesmente divino!

A Binetôt!

terça-feira, 16 de julho de 2013

Um museu para quem gosta da Idade Média

Bonjour, amigos!

Um dos museus que melhor ilustra a época medieval, em Paris, é o Museu Cluny, localizado no número 6 da Place Paul Painlevé, esquina com a Boulevard Saint Michel no coração do Quartier Latin. Ali pode-se ver as cabeças dos reis de Judá, decapitadas da Notre Dame na época da Revolução Francesa; alguns vitrais de igrejas; peças religiosas bem valiosas que agora ficam no restaurado Friggidarium (onde, na época em que a França era território do Império Romano, eram as antigas termas de Cluny); belas tapeçarias que contam como era a vida naquela época tal como histórias em quadrinho; peças raras de Limoges e o famoso conjunto com 6 tapeçarias chamado de  "A Dama e o Unicórnio". Na verdade, essas tapeçarias acabam de ser restauradas e, enquanto a sala onde elas ficam é restaurada também, elas estão no Museu de Tokyo, até o fim de 2013, portanto se seu intuito era apenas vê-las, não vale a pena pagar os 8,50 euros da entrada.
Contudo eu garanto que há bem mais para se ver ali dentro que "A  Dama e o Unicórnio", mas isso só vale para quem gosta da Idade Média.
Entrada do Museu


Cabeças dos Reis de Judá

Vitrais

Aviso de que a sala da "Dama e o Unicórnio" está fechada para restauração

Pietá de Tarascon

Tapeçarias

Jóias de Limoges

Capela

Peças usadas no dia-a-dia pelas pessoas da Idade Média

A Bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM JUNHO DE 2013

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Um passeio pelas ladeiras de Montmartre

Bonjour, amigos!
Montmartre é um dos bairros mais charmosos de Paris, na minha opinião. E a despeito de tudo o que dizem sobre os perigos que rondam a região, continuo achando que ele tem uma aura deliciosa e que é impossível não se apaixonar pelo bairro em uma breve caminhada por suas ladeiras cheias de história. 

Ladeira de Montmartre




Bateau Lavoir

Fotos de Modigliani (no alto, de perfil) e Picasso (sentado, embaixo), figuras ilustres do Bateau Lavoir
Um dos lugares que chamam a atenção é o Bateau Lavoir, um prédio onde moraram alguns artistas ao longo de vários anos, incluindo Picasso e Modigliani, que, inclusive, estiveram lá na mesma época. Era um local pobre, uma espécie de cortiço, mas de onde saíram algumas das maiores obras da arte moderna. Hoje o prédio propriamente dito nem existe mais, pois pegou fogo em 1970, mas há uma referência a ele com fotos de pintores e algumas histórias de seus quadros (alguns que estão, hoje, no Museu de Montmartre)

Outro local interessante de se ver é a Place Marcel Aymé, onde está a estátua conhecida como “Passe Muraille”, que é um personagem de um conto que tinha o dom de passar através das paredes, até que um dia ele fica preso entre elas. Marcel Aymé era o escritor desse conto e viveu em Montmartre, assim como diversos artistas entre escritores, pintores e escultores. Talvez seja por isso que o bairro tenha uma aura tão mágica, afinal, era o reduto dos artistas.


Passe Muraille
No topo de Montmartre está a Baílica de Sacre-Coeur, uma igreja linda (embora muitos franceses não gostem dela) e que foi erguida a partir de uma pedra especial que fica cada vez mais branca em contato com a água.


Sacre-Coeur
 Do alto de Montmartre  dá para ver os tetos de Paris e dá para se sentir um pouco dentro do filme “O fabuloso destino de Amélie Poulin”. Ali no número 11 da rue du Mont Cenis existe uma lojinha chamada “Montmartre village” com diversas lembrancinhas simpáticas e a bons preços para se presentear os amigos.

Descendo Montmartre

Uma ruazinha fofa
Há muito mais para se ver em Montmartre. Há o Moulin Rouge; a Place de Tertre; o Espace Dalí; o Museu de Montmartre;  o Moulin de la Galette; o muro do "eu te amo"  e tantos outros lugares que valem a pena descobrir, por isso aconselho a todos a pegarem um mapa e irem descobrindo o bairro do seu jeito, afinal não existe apenas um modo de visitá-lo ou de conhecê-lo. Uma boa opção é pegar o  trenzinho que sai da praça em frente ao metrô Blanche, dar a volta para descobrir qual o seu cantinho preferido nesse bairro tão charmoso.

Moulin de la Galette

Muro do "eu te amo"
A Bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM JUNHO DE 2013

Feiras de bairro em Paris

Bonjour, amigos!
Um dos grandes prazeres de se morar em Paris deve ser o de poder frequentar as feirinhas que acontecem, todos os dias da semana, em bairros diferentes. A feira de Saint Germain des Prés, no 6 arrondissement, tem de tudo: cerejas enormes, do tamanho de uma bola de gude; morangos e framboesas com um aroma delicioso, legumes diferentes como aspargos frescos, mini rabanetes e mini cenouras com talos; peixes e camarões de dar água na boca e muitos condimentos interessantes. Posso imaginar que, para quem gosta de cozinhar, seja um oásis visitar um lugar como esse. O mais impressionante é que as feiras são pequenas, geralmente em uma praça, mas tem de tudo e com alta qualidade. E nada é tão caro assim que impossibilite mesmo a nós, brasileiros, de comprar bons ingredientes para um almoço de domingo.







A Bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM JUNHO DE 2013